Conecte-se conosco

Capital Fluminense

Justiça autoriza quebra de sigilo do celular de madrasta acusada de envenenar enteados

Cíntia Mariano Dias Cabral é acusada de envenenar os enteados Bruno Cabral, de 16 anos, que sobreviveu, e Fernanda Carvalho, de 22 anos morta em março deste ano

Publicado

em

Polícia investiga se madrasta que envenenou enteados provocou as mortes de ex-marido e vizinha
Cíntia Mariano Dias Cabral é acusada de envenenar os enteados Bruno Cabral, de 16 anos, que sobreviveu, e Fernanda Carvalho, de 22 anos morta em março deste ano

A Justiça do Rio autorizou a quebra do sigilo telefônico do celular de Cíntia Mariano Dias Cabral, acusada de envenenar os enteados Bruno Cabral, de 16 anos, que sobreviveu, e Fernanda Carvalho, de 22 anos, morta em março deste ano.

A decisão é do juiz Alexandre Abrahão Dias Teixeira, da 3ª Vara Criminal do TJRJ. A decisão foi em resposta a um pedido do delegado Flávio Ferreira Rodrigues, titular da Delegacia de Realengo, que investiga o caso.

“Com certeza, esse foi um passo importante para as investigações. Agora, vamos também aguardar aí uns 20 dias para ter o laudo pericial do corpo de Fernanda”, afirmou o delegado Flávio Ferreira.

Na última semana, em depoimento na Delegacia de Realengo, o filho de Cíntia, Lucas Mariano afirmou na unidade que investiga o caso, que há cerca de 20 anos, Cíntia tentou matar outro enteado, que seria um irmão dele por parte de pai, com querosene. Na época, o menino tinha apenas 6 anos.

Cíntia Mariano está presa desde o dia 20 de maio, suspeita de matar a enteada Fernanda Cabral. A jovem de 22 anos morreu em 27 de março, após ficar 12 dias internada por suspeita de envenenamento pela madrasta. De acordo com o filho da acusada, ela teria confessado o crime.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *